União da Mata faz da Taça de Aveiro um momento para comprovar a qualidade do futebol popular

Tal como há um ano, a União da Mata voltou a superar a eliminatória inicial da Taça de Aveiro, após vencer o São Martinho, da 2.ª Divisão Distrital. O emblema de Santa Maria de Lamas ficou em desvantagem perto do fim, teve forças para empatar, por Ricardo Bastos, e foi letal nos penáltis (5-4). “A nossa passagem vem trazer justiça àquilo que foi o jogo”, sublinha o autor do golo, para quem este é mais um sinal de que, no futebol popular, há qualidade a explorar.

A participação na Taça de Aveiro obrigou o plantel rubro-negro a iniciar os trabalhos de pré-temporada mais cedo do que é habitual, “até mais do que no ano passado”. “Fomos preparando a época com a eliminatória da Taça na cabeça. Jogámos contra algumas equipas do distrital”, o que ajudou a dar mais andamento a uma equipa que gosta de ter bola e de praticar um futebol apoiado.

Só que, em São Martinho, esses ideais tiveram de se adequar à realidade. “Estamos habituados ao sintético (o Campo Manuel Emílio Santos tem piso pelado) e as bolas eram as do distrital, diferentes daquelas com que jogamos”, lembra Ricardo Bastos, que gostou da forma como a equipa reagiu às dificuldades. “Depois de nos habituarmos, conseguimos encostar um pouco o São Martinho atrás”, ainda que tenha sido a equipa de Castelo de Paiva a primeira a marcar, por Paulo Ferreira, aos 82 minutos.

O golo poderia ter sido um golpe fatal, não fosse a reação corajosa dos lamacenses. “Qualquer equipa sente um golo sofrido na parte final, ainda por cima com menos um. Andámos uns momentos na expetativa, mas o ambiente, que estava um pouco quente, deu-nos mais força para irmos atrás do resultado”, assume Ricardo Bastos, que igualou o marcador perto do minuto 90, na sequência de um lance de insistência na área contrária.

A decisão da eliminatória foi remetida para as grandes penalidades, e aí sobressaiu a eficácia lamacense e a destreza do guardião Telmo Santos, em estreia pela União da Mata, que saltou do banco na sequência da expulsão do guarda-redes titular Bruno Mendes e parou uma tentativa do adversário.

“Mostrámos que temos qualidade e que ela também existe na liga em que jogamos”, sublinha Ricardo Bastos, que acredita que, “se a União da Mata competisse num campeonato distrital não faria, certamente, má figura”. “Encaramos a Taça como uma experiência e como uma forma de demonstrar aos clubes da distrital que o futebol popular não é um grupo de arruaceiros que se juntam e que só distribuem pancada. Olhamos para isto com o mínimo de profissionalismo e paixão”, completa o defesa central.

Chuva de golos a sul do distrito
A primeira eliminatória da Taça de Aveiro divide as equipas participantes em duas zonas. A norte, e para além do apuramento da União da Mata, destaque para a vitória da AD Nogueira da Regedoura diante do Macieira de Cambra, por 3-0. Os golos surgiram todos na segunda parte, por Wilson Santos, Ruben Machado e Nelson Ferreira, este último de grande penalidade.

O Romariz levou de vencida o Milheiroense por 2-1, marcaram Bruno Ribeiro, de penálti, e Daniel Alves, tendo Jorge Santiago faturado pelos de Milheirós de Poiares pelo meio. O mesmo resultado verificou-se no triunfo do Sanguedo na casa do Relâmpago Nogueirense. Os locais até marcaram primeiro, por Fábio Ferreira, mas viram os forasteiros darem a volta na segunda parte, com golos de Rui Alves e Tiago Tavares.

Também por 2-1, o Mosteirô FC venceu em Lobão, com golos de Flávio Oliveira e Vítor Andrade. Em cima do minuto 90, Hugo Sá reduziu, de penálti. Em Tarei, foi necessário recorrer às grandes penalidades para se encontrar o vencedor da eliminatória entre a equipa da casa e o Real Nogueirense. Carlos Pereira, de penálti, adiantou os locais, mas Carlos Pinto empatou aos 45 minutos. O 1-1 perdurou até final, sendo que nas penalidades o conjunto de Nogueira do Cravo foi mais eficaz, vencendo por 4-3.

Na zona sul, a vitória mais folgada foi alcançada pelo Bustos, que venceu o Santiais por 4-0, marcaram Valter Andrade, Gonçalo Gonçalves, Guilherme Alves e Diogo Mota. Em Aguim, a equipa da casa bateu o Famalicão num jogo com sete golos. Os locais chegaram ao intervalo a vencer por 3-0, com golos de Hugo Coelho, Fábio Parreira e Marco Figueiredo, este de penálti, mas viram o adversário chegar ao empate na segunda metade, por intermédio de Rui Verdade, de grande penalidade, Rafael Cruz e João Ferreira. Perto do minuto 90, Marc Mucha voltaria a marcar para o Aguinense, selando o triunfo dos locais.

Com um golo de Filipe Simões, de grande penalidade, a JuveForce venceu o Mealhada, enquanto o Santo André triunfou na Ribeira da Azenha nos penáltis. Durante os 90 minutos, o jogo teve três penalidades, uma para os locais, convertida por Kakothiac Mendy, e duas para os forasteiros, ambas aproveitadas por Ruben Matos. A partida terminou com uma igualdade a três bolas, sendo que o Santo André foi mais eficaz nos penáltis, vencendo por 4-3.

A fechar, nova chuva de golos, agora em Aveiro, onde o Bom-Sucesso ganhou ao Vila Nova de Monsarros nas grandes penalidades, após o 4-4 registado após o apito final. Os forasteiros evitaram a derrota em tempo regulamentar perto do minuto 90, quando Joel Fernandes bisou, mas os aveirenses foram mais fortes nos penáltis (4-3).

De recordar que Válega, Caldas de São Jorge, Fajões, Vila Viçosa, Fermedo, Quinta de Paramos, GD Ronda, Florgrade, Sosense, Paredes do Bairro, Águas Boas, Mamarrosa, Beira-Vouga, Rocas do Vouga, Valonguense, Carqueijo e Vaguense ficaram isentos de disputar a primeira eliminatória da Taça de Aveiro.

Fotografia
União da Mata Futebol Clube

24 de Setembro de 2019
Rui Santos
[email protected]
Notícias Relacionadas
Equipas
Categorias
Tags
Twitter
Facebook
Notícias Mais Lidas