Paralisação pela pandemia obriga AFA a reformular campeonatos

Taças e supertaças canceladas, fim do campeonato sem lugar a despromoções e a criação de uma prova final, de acesso facultativo, com o intuito de se encontrar a equipa que será promovida ao Campeonato de Portugal e as que terão uma vaga na próxima edição da Taça de Portugal. Após ouvir todos os clubes sobre o tema, a Associação de Futebol de Aveiro (AFA) decidiu o rumo a dar a uma temporada atípica, procurando respeitar tanto aqueles que querem continuar a jogar como os que preferem não o fazer.

Com as diferentes competições de futebol paralisadas desde o passado mês de novembro, começou a ficar claro que seria complicado encaixar os jogos ainda por realizar a tempo de fechar a atual temporada dentro dos prazos definidos. O novo confinamento, que levou à suspensão de toda a atividade desportiva de cariz distrital há mais de um mês, impediu que o calendário definido pela AFA para a retoma competitiva fosse colocado em prática e agudizou o problema da calendarização das jornadas em falta.

Com o país ainda paralisado, devido aos números da pandemia, os responsáveis da AFA iniciaram uma ronda de contactos com os responsáveis de todos os clubes que participam nas suas competições seniores, com o intuito de perceber a sua opinião relativamente ao rumo que deveria ser tomado para fechar a atual temporada. “Já vamos com um ano de pandemia, sem público, sem a formação a competir e sem os bares abertos nos estádios. Ouvimos cada clube. Existe um sentimento de frustração e dificuldades acrescidas, para as quais têm contribuído as várias pré-épocas durante esta temporada e os vários adiamentos de jogos devido a casos Covid-19. Em face do atual confinamento e do calendário de jogos em vigor, não é possível enquadrar o mesmo no tempo que falta para terminar a época”, lamenta Arménio Pinho, presidente da AFA.

Sensível aos argumentos apresentados pelos clubes e tendo como base a sua obrigação, enquanto associação que promove o desporto, de encontrar soluções que permitam a prática desportiva, a AFA decidiu colocar um ponto final nos campeonatos, nas taças e nas supertaças distritais e criar uma prova final, que servirá para definir as equipas promovidas nos diferentes escalões competitivos.

Prova de acesso facultativo
“Apesar da pandemia Covid-19 ter impossibilitado o cumprimento pleno da verdade desportiva, é intenção da AFA relevar o mérito até aqui demonstrado pelos clubes e decidir os referidos apuramentos em campo”, explica a associação, numa nota enviada aos clubes.

O acesso a estas provas será facultativo, tendo os clubes até às 18 horas da próxima quarta-feira para declararem a sua intenção. O formato a adotar será ajustado de acordo com o número de equipas inscritas, as quais iniciarão a sua participação com 50% dos pontos obtidos até à paragem dos campeonatos, corrigidos com o coeficiente obtido pelo número de pontos e jogos realizados.

Esta foi a forma encontrada pela AFA para poder indicar o clube que será promovido ao Campeonato de Portugal e, também, as duas equipas que irão disputar a próxima edição da Taça de Portugal. A prova final disputar-se-á no Campeonato SABSEG, na 1.ª e na 2.ª Divisão Distrital. As competições devem arrancar entre os meses de abril e maio, devendo estender-se por um prazo máximo de nove semanas, sempre dependente da evolução da pandemia de Covid-19 no país. “Na hipótese de impossibilidade de se virem a apurar as equipas para as provas nacionais, a AFA tomará as decisões que forem necessárias, em função dos regulamentos e das necessidades que se verificarem”, acrescenta a nota.

Quanto aos clubes que não pretenderem inscrever-se nestas provas finais não sofrerão qualquer penalização, uma vez que ficou igualmente decidido que, esta época, não haverá lugar a despromoções. Isso implicará uma nova reformulação do formato competitivo do Campeonato SABSEG, que passará a ter 24 clubes em 2021/2022. A sua composição dependerá do número de equipas aveirenses que poderão vir a ser despromovidas do Campeonato de Portugal. Se nenhuma baixar dos Nacionais, são promovidos três clubes da 1.ª Divisão Distrital ao Campeonato SABSEG. Se descer uma, o número de equipas que sobem da 1.ª Divisão baixa para dois, e por aí adiante. Isso terá, consequentemente, implicações no número de equipas que subirão da 2.ª para a 1.ª Divisão Distrital.

Objetivo é ter clubes fortes no futuro
Consciente das dificuldades por que muitos clubes passam, devido aos efeitos da pandemia de Covid-19 no país, a AFA procura, desta forma, permitir a todos os emblemas decidirem, de forma desprendida, se pretendem voltar a jogar esta temporada. Num momento de grande complexidade, sem paralelo na história recente do desporto nacional, é importante garantir que haverá “clubes fortes no futuro, sem dívidas ou dificuldades causadas pelo atual período excecional”, sublinha Arménio Pinho, presidente da AFA.

“A nossa missão é promover e organizar as competições, mas também temos a obrigação de continuarmos a manter clubes fortes para as próximas épocas. Para uma época atípica e de exceção, uma medida de exceção”, acrescenta o dirigente.

22 de Fevereiro de 2021
Notícias Relacionadas
Categorias
Tags
Twitter
Facebook
Notícias Mais Lidas