As lições de disciplina que fortaleceram Diogo Costa no futsal

Diogo Costa está há duas épocas na PARC e considera que, num curto espaço de tempo, aprendeu a encarar os momentos de tensão de uma forma mais comedida, tornando-se num jogador disciplinado e respeitador. No recente jogo da sua equipa, a contar para o apuramento do 5.º e 6.º lugar do Campeonato Grande Hotel de Luso, o ala foi o autor de um “hat-trick” que ajudou a PARC a vencer o CD Cucujães por 7-4. O jogador admite que está a crescer dentro da “quadra” e deseja chegar aos patamares nacionais do futsal.

Aos 21 anos, Diogo Costa revela que a experiência na PARC tem sido produtiva “para acabar de vez com as atitudes de indisciplina” que chegaram a fazer parte da sua formação. O ala considera que a orientação do técnico Miguel Pinho foi fundamental para que tal viesse a acontecer. “Com o Miguel tornei-me melhor jogador, e em termos técnicos e táticos sou mais explosivo e arrisco mais vezes no um para um. Contudo, o mais importante foi ele ter-me ajudado a esfriar a cabeça. Durante a formação era um jogador mais agressivo e não me controlava. Desde que estou na PARC levo um cartão amarelo de vez em quando, não é como quando perdia a cabeça”, explica.

O jogador foi decisivo no duelo da PARC frente ao CD Cucujães, considerando que esteve a um bom nível com os três golos apontados. “Para além do ‘hat-trick’, tive interferência em mais dois golos. A nível coletivo não acusámos qualquer pressão pelo jogo, tentámos desfrutar e daí que a vitória tenha surgido com naturalidade”, refere, ele que tinha expetativas elevadas para a temporada da PARC.

“Ansiávamos mais e não esperávamos que a época terminasse já. A derrota com o Barcouço foi um rude golpe, porque acho que foi injusta. Em dois jogos fomos superiores, mas passou quem fez mais golos. Apesar disso, tivemos uma época positiva”, sublinha.

Diogo Costa está no segundo ano no escalão sénior, depois de se ter formado no Santa Cruz, Unidos ao Pinheirense, Académica de Leça e Boavista. O ala está satisfeito por ter aceitado o desafio da PARC e mantém o desejo de continuar a ajudar a equipa, salientando que um dos seus objetivos “é jogar na 2.ª Divisão Nacional… no mínimo”. “Sinto-me em boa forma e estou a crescer como jogador. Esta época tive a oportunidade de voltar a demonstrar a minha qualidade, até porque marquei 11 golos em 9 jogos. Anseio sempre mais, e quero ajudar a PARC, se possível chegando a um patamar mais elevado”, conclui.

Fotografia
Direitos Reservados

3 de Junho de 2021
Vítor Hugo Carmo
[email protected]
Notícias Relacionadas
Jogadores
Equipas
Categorias
Tags
Twitter
Facebook
Notícias Mais Lidas