AFA suporta custos dos testes à Covid-19 e isenta clubes de pagarem inscrições para atletas da formação

A Associação de Futebol de Aveiro (AFA) anunciou, em comunicado, que vai suportar os custos dos testes de Covid-19 para a retoma da atividade do futebol de formação, garantindo ainda aos clubes associados a isenção do pagamento de inscrições dos seus atletas da formação, bem como a aplicação de um desconto de 40% na tarifa do seguro desportivo para todos os escalões, dos petizes aos seniores, para as inscrições realizadas a partir de hoje.

Numa reunião entre a Direção da AFA e os clubes aveirenses, que decorreu numa plataforma digital, foram anunciadas as medidas que visam apoiar o regresso à atividade do futebol de formação, que está agendado para a próxima segunda-feira, dia 19 de abril.

Perante a orientação 36 da Direção-Geral da Saúde (DGS), que obriga à apresentação de um teste negativo à Covid-19 por parte dos atletas de formação até 72 horas antes do início das atividades, por o futebol e o futsal se enquadrarem nas modalidades de médio risco de contágio do novo coronavírus, a AFA decidiu apoiar os clubes. Assim, todos aqueles que vão retomar a sua atividade podem levantar os testes à Covid-19 na sede da associação a partir das 10h00 de sexta-feira, sem qualquer custo.

Além desta medida, a Associação de Futebol de Aveiro garante ainda a todos os clubes a isenção do pagamento do valor da inscrição dos atletas da formação, bem como a aplicação de um desconto de 40% na tarifa do seguro desportivo para todas as inscrições processadas a partir de hoje, sendo que o restante valor é suportado pelos clubes.

Clubes admitem mais motivação para o regresso da atividade
Carlos Silva, presidente do CD Arrifanense, considera que as medidas anunciadas pela AFA “ajudam a anular os receios que têm existido quanto ao regresso do futebol de formação”. “Os clubes tinham muitas dúvidas e os apoios da AFA são claramente benéficos. Foi encontrada uma boa solução, à qual os clubes não devem colocar entraves, porque é tempo de todos nos adaptarmos ao tempo que vivemos”, afirma.

O dirigente recorda que os “clubes estão aflitos e a passar por grandes dificuldades”, pelo que as medidas anunciadas “dão um novo ânimo para o regresso”. “É mais uma motivação para que o regresso seja feito em força, mas com todos os cuidados. Julgo que, mediante as orientações da Direção-Geral da Saúde, estes apoios são os possíveis e vão de encontro às necessidades dos clubes”, refere.

Já Miguel Fernandes, presidente do FC Vaguense, realça que “a AFA está a fazer tudo pelos clubes num momento de muita dificuldade”. “Fiquei surpreendido com os apoios, porque os testes são caros e só essa ajuda já vai mudar muito o panorama do regresso do futebol de formação. É um grande passo que está a ser dado pela associação”, sublinha, acrescentando que “os clubes têm uma responsabilidade social muito importante e os jovens têm de continuar a praticar desporto, mesmo que não seja em contexto competitivo”. “As medidas são uma alavanca para o regresso e aliviam um pouco a carteira dos clubes, sendo que temos mais argumentos para angariar patrocinadores com o futebol em atividade”, admite.

Quanto a António Cabral, presidente do CD Loureiro, defende que “os clubes têm de agarrar esta oportunidade única que a AFA lhes está a dar para regressarem à atividade”. “Andámos com queixas e dúvidas quanto ao regresso do futebol de formação, mas agora é hora de voltar a trazer os miúdos e os seus familiares para junto do clube, mesmo que não seja para competir”, refere.

O dirigente considera que os apoios “são a prova de que a Associação de Futebol de Aveiro está atenta às dificuldades dos clubes”, numa altura em que a retoma da atividade “pode servir para se começar a preparar a próxima época”. “Temos de avançar, porque os nossos miúdos têm de ter o prazer de jogar e praticar desporto. Isso é o mais importante de tudo”, conclui.

Fotografia
Direitos Reservados

14 de Abril de 2021
Notícias Relacionadas
Categorias
Tags
Twitter
Facebook
Notícias Mais Lidas